sexta-feira, 30 de outubro de 2015

O homem descobre a razão: nasce a filosofia

Bom Dia amores .... Hoje estou inspirada e mais apaixonada pela filosofia ... em breve trarei o comentário do romance filosófico que estou lendo e amando a cada pagina ♥ rsrsrs

E, com isso continuarei as postagens sobre a filosofia ^^

Agora vamos entrar na Era Pré-Socrática

O homem descobre a razão: nasce a filosofia .... 
 Os primeiros filósofos foram os que buscaram explicações racionais, e não mais religiosas, para a origem do mundo e do homem. Diferentemente do que se pensa, esse pensamento revolucionário nasceu na Jônia, hoje Turquia, e não na Grécia.

 A filosofia não nasceu na Grécia. A terra natal de Tales, considerado o primeiro filósofo da história, é Mileto, cidade do sul da Jônia, região que hoje pertence á Turquia. Ou seja, é correto dizer que a filosofia nasceu no mundo grego, mas o mundo grego dos séculos 7 e 5 a.C. não tem nada a ver com a Grécia de hoje. Demorou quase cem anos para a filosofia chegar á capital Atenas, onde viveu Sócrates, uma espécie de Jesus Cristo da filosofia.
 Assim como o calendário cristão á filosofia também é divida em duas eras: pré e pós-Sócrates. Na era pré-socrática, a principal preocupação era saber de que era feito o mundo e o ser humano. A pergunta de que são feitas as coisas? pode soar ingenua e até infantil. Mas o filósofo Timothy Williamson, de Oxford, considera uma das melhores perguntas já proferidas - uma questão que nos conduziu a boa parte da ciência moderna.
 Os pensadores não engoliam a ideia de que o mundo surgiu do nada. Nada vem do nada e nada volta ao nada era uma premissa básica para os pré-socráticos, o que significava dizer que o mundo é uma eterna reciclagem, tudo se transforma sem jamais desaparecer. Eles tinham até uma palavra para esse mundo perene: physis, do verbo grego "fazer surgir". Physis era a origem de todos os seres e coisas mortais do mundo, que estão em permanente transformação.
 Mas afinal o que era Physis? Cada pensador achava que era uma coisa. Tales afirmava que o princípio era a água ou o úmido. Anaximandro, o infinito. Anaxímenes, o ar. Pode parecer simplório, mas era a primeira vez que se buscava uma resposta racional para a origem do mundo.

     OBS: Acredito que até hoje muitos procuram uma resposta racional para a origem do mundo.

Próximo poste:
O universo é feito de água - Tales de Mileto

:*

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Platão teve um amor platônico?

Boa Tarde amores *-*

Antes de entrarmos na Era Pré-Socrática, vamos a mais uma curiosidade de Platão e é muito peculiar a resposta que é dada ao amor...

 Platão teve um amor platônico?

  Sim. Platão era um apaixonado, mas seu amor era a filosofia. Mas é bom esclarecer que a expressão amor platônico sofreu uma distorção com o passar do tempo. Hoje, se usa o termo para um amor não realizado, idealizado, a distancia, mas não é bem isso que Platão quis dizer. O conceito foi apropriado pelo cristianismo, o que pode explicar por que o ato sexual saiu da jogada (verdade seja dita, nada mais anti-grego do que um amor sem sexo). Platão fala em "amor ao belo" e não se refere apenas ao amor entre duas pessoas, como o termo está associado hoje. Platônico era o amor pelo país, pela justiça, pelos ideais éticos, pelo que for - o filósofo falava em conciliar os muitos amores. Amar é o que nos leva a conhecer a essência das coisas, as formas puras que Platão acreditava existir no mundo das ideias - ao qual seria possível ascender por meio do intelecto. Ou seja, amor platônico é aquele que nos impulsiona a ir além do sensível, a elevar a alma em busca da verdade - por isso que, para Platão, o filósofo é um ser apaixonado.

Notas finais: aposto que você também ficou pensando que nessa resposta á um fundo de verdade e curiosidade que nos faz pensar muito mais do que pensávamos. rsrsrs ... Sim, sim eu também muito pensativa sobre essa resposta sobre o amor ....

:*

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Sócrates existiu apenas na imaginação de Platão?

Boa Tarde amore .....

A-Ha peguei muita gente com essa pergunta .... srsrrs tbm fiquei muito surpresa quando vi essa pergunta, afinal nas escolas aprendemos praticamente o nada de Filosofia e quando aprendemos (pelo menos eu) a discussão foi a existência de Deus! (Acredito que meu professor, na época, era ateu)

Então vamos a mais uma resposta da questionável filosofia....

 Sócrates existiu apenas na imaginação de Platão?

 
Sócrates não quis escrever suas ideias, pois acreditava que a melhor forma de expor o que tinha em mente era com uma boa conversa. Assim, seu pensamento só sobreviveu graças á obra de pupilos como Platão. Então, como acreditar que Sócrates não é só um personagem inventado? Simples: Platão não o único pensador que deu seu testemunho a respeito do meste. Aristófanes, por exemplo, mencionou Sócrates numa comédia, Xenofonte também o citou. Mas ninguém ainda conseguiu responder até que ponto ele se pareceu de verdade com a figura descrita por seus seguidores.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Afinal, para que serve a filosofia?

Boa Tarde amores *-*

Quem dos leitores gosta de filosofia? \o/ Eu sempre fui amante da filosofia ....
E passando por uma banca eu compre uma revista da editora Super Interessante - Guia da Filosofia ....
E como uma boa blogueira e amante da filosofia - postarei os pontos dessa revista e a pergunta de hoje:

Afinal, para que serve a filosofia?
 Para nada. É injusto querer encontrar uma utilidade pratica na filosofia como se exige da ciência, por exemplo. O campo da filosofia é o Pensar. É claro que existe aquele pensar instrumental, que é um meio para alcançar um fim, como o cientifico. Mas o pensar filosófico é de outra natureza, reflete a própria condição humana, logo, é um fim em si mesmo, não visa ter uma utilidade que não seja a de discutir e fazer boas perguntas sobre o mundo e o homem. Mas ela não está descolada da realidade: as bases da divisão de poderes da política (Executivo, Legislativo e Judiciário) foram propostas por um filósofo, por exemplo.


domingo, 18 de outubro de 2015

Conto \♥/

Boa Noite amores....
Oooh faz tempinho que não posto Contos dos amigos aqui no face :), mas hoje é dia ee.ee
Vamos de um romance hoje :p

O conto de hoje é de Ingrid Amanda

O Grande Dia

— E então, o que você diz?
***
Olho o relógio pela milésima vez só para constar que não se passou muito tempo desde a última vez. Viro-me na cama vazia. São quatro da manhã e eu ainda não preguei os olhos e nem me acostumei com aquela solidão toda ecoando silenciosamente no apartamento. Levantei sem motivo e olhei o que tinha restado ali. Os poucos móveis já estavam organizados assim como as minhas malas, tudo pronto para a mudança que aconteceria dali a alguns dias. Peguei o celular e olhei para nossa foto.
Senti saudades dele. E quem era ele? Bom, no começo, ele, Alexei, era professor na academia que eu comecei a frequentar depois de tantas idas e vindas com a minha insônia. Ia me cansar um pouco, mas poderia resolver o meu problema, mesmo que não fosse fã de halteres e espelhos, e assim que cheguei lá estava ele: forte e não muito alto; a pele bem clara e o cabelo loiro grande o bastante para cair na testa e olhos muito pretos, que só se revelavam castanhos quando o sol do fim da tarde iluminava o salão através da janela panorâmica. Ele sorriu pra mim e foi simpático, mas até aí normal, esse era o trabalho dele.
Enquanto eu fazia minhas séries de exercícios eu o observava ajudar os outros alunos (e alunas, claro) e o imaginava como ele se sairia atuando em um palco, se movimentando através do jogo de luzes e dizendo as palavras certas dos discursos decorados como eu mesma fazia. Ser atriz era mais do que um trabalho para mim, era uma paixão profunda misturada com uma fantasia utópica de um mundo perfeito, mas, com relação a ele, nunca imaginei mais do que isso, afinal esse era o meu trabalho.
Mas tudo começou a mudar nos últimos dias de maio. Nossa amizade se restringia às salas da academia, onde conversávamos sobre um pouco de tudo, desde os exercícios (quando faltava assunto) até comidas preferidas e pequenos segredos confessáveis, onde eu pude conhecê-lo melhor. Foi por isso que não estranhei quando ele chamou meu nome pouco antes de eu ir embora.
— O que foi? — perguntei sorrindo.
— É que eu pensei, sei lá, de a gente sair qualquer dia desses pra comer alguma coisa e conversar um pouco fora daqui.
Minha expressão com certeza denunciava toda a surpresa que eu estava sentindo naquele momento. Nunca, em hipótese alguma, eu havia sonhado que ele me faria um convite. Sempre imaginei que não fosse o tipo de garota que ele gostasse, já que eu não fazia parte desse “mundo fitness” a que ele pertencia. Não que eu fosse gorda ou algo do tipo, mas jamais me encaixaria no perfil de ratas de academia. Por alguns segundos foi só isso que consegui pensar.
— Bom, tudo bem — respondi tentando pensar em mais palavras. — Você já tem alguma ideia em mente?
— Pensei num japonês. Posso passar na sua casa na sexta, às oito, se você não se incomodar.
— Não, tudo bem, tudo bem — eu estava me sentindo um pouco eufórica naquela altura. — Você tem um papel pra eu anotar meu telefone?
Alexei deu a volta no balcão e me entregou uma folha em branco em que eu rabisquei meu celular rapidamente enquanto ele me observava. Acenei antes de sair, quase tropeçando no degrau da entrada, ainda sem acreditar que aquilo tinha acontecido.
Sei que é clichê, mas depois que saímos juntos, minha vida mudou. O jantar foi super divertido e era engraçado nos vermos fora da academia, com liberdade o suficiente para que ele me beijasse no carro antes que eu descesse na frente do meu prédio. Em poucas semanas já estávamos namorando sério, comigo tendo que me controlar para não sorrir demais ou ficar melosa quando eu ia fazer meus exercícios na academia, mas ficava óbvio para qualquer um que nos visse juntos, opostos que se completavam perfeitamente, equilibrando cada um dos nossos defeitos com qualidades inesperadas.
A manhã chegou sem que eu tivesse dormido, mas pelo menos eu estava mais calma. Eu me arrumei e coloquei as malas no carro para deixar na casa da minha mãe entes de ir para o salão. Para me manter sob controle, continuei buscando as mais diversas lembranças de nós dois juntos, das felizes até as mais tristes, satisfeita por estas serem muito poucas, enquanto eu era penteada, maquiada e vestida.
O mundo parecia estar em câmera lenta quando as portas da igreja se abriram e a marcha nupcial começou a tocar. Meu olhar primeiro correu até ele no altar vestindo um smoking pela primeira vez na vida sorrindo para mim, para depois notar todos os nossos amigos ali que compartilhavam aquele momento tão especial para nós. Alexei apertou minha mão e beijou minha testa antes que o sermão do padre começasse.
Eu não podia acreditar no quanto eu tinha mudado. Estávamos comemorando exatamente um ano e meio de namoro, o nosso novo apartamento estava praticamente pronto, e as malas e passagem de lua de mel para Veneza já estavam nos esperando para viagem assim que a festa terminasse. Em pouco tempo eu me tornaria oficialmente uma senhora casada. Eu estava tão entretida com isso que nem escutei a tão esperada pergunta!
— E então, o que você diz? — perguntou Alexei baixinho. — Ainda vai aceitar se casar comigo?
Olhei para ele e para o padre que esperava com uma sobrancelha erguida.
— Claro que eu aceito, você é o amor da minha vida!
— Eu os declaro marido e mulher, pode beijar a noiva!
O padre disse as palavras apenas para não quebrar a formalidade, pois antes mesmo que terminasse de falar eu já estava nos braços de Alexei, o único lugar do mundo em que eu me sentia pequenina e ainda sim protegida contra tudo, para que então ele me beijasse, primeiro mais lentamente, para então tornar-se ousado me fazendo rir quando a chuva de arroz e os aplausos nos atingiram.
***
Já tínhamos cumprimentado todos os convidados e cortado o bolo quando finalmente fomos para a pista. Meus pés doíam, mas eu estava feliz demais para reclamar. Passei meus braços ao redor de seu pescoço e ele abraçou minha cintura para dançarmos a música lenta.
— Esse é o dia mais feliz da minha vida — sussurrei em seu ouvido. — Por enquanto. Preciso te contar uma coisa.
— O que foi querida?
— Não seremos apenas nós dois em Veneza. Eu estou grávida.
Primeiro Alexei parou instantaneamente ao ouvir a notícia, mas então riu olhando fixamente para meus olhos. Suas mãos deixaram minha cintura e subiram até estarem no meu rosto contornando meu maxilar.
— Eu sou o homem mais feliz do mundo, pode acreditar nisso!

Eu fechei os olhos quando ele beijou meus lábios e me tirou do chão num rodopio. Naquele instante senti que era como estar voando e era assim que eu queria continuar e sentindo por muito tempo.

NÃO ROUBEM OS CONTO - PLEASE
ESPERO QUE TENHAM GOSTADO 
:*

domingo, 4 de outubro de 2015

Literatura Estrangeira

Boa Tarde amores *O*
Aaah! Eu prometo nunca mais me desafiar á escrever um romance .... Pois, nessa brincadeira esses livros Harlequin vão ocupar mais espaço que deveria na minha pequena biblioteca ... aaah! Mas confesso, os romance são bonitos rsrsrs

Pela primeira vez eu li um livro da autora NORA ROBERTS - hahaha - amei ....

"Você foi avisada duas vezes. Pare de investigar a morte de Anne Trulane."
 Laurel Armand era uma mulher aparentemente frágil, mas estava determinada a provar que poderia ser uma grande jornalista investigativa. Por isso, quando soube do assassinato de Anne Trulane, Laurel farejou uma boa pauta, e decidiu apurar os fatos. Matt Bates, seu rival na profissão, a desejava havia muito tempo. Ao saber que Laurel tinha partido para os pântanos de Nova Orleans a fim de investigar o crime, ele decidiu que chegará a hora de se tornarem parceiros de ofício e também amantes.

   Que livro mais irresistível foi esse? Meu Deus, amei, lindo e apaixonante .... E que personagem masculino foi esse??*O* apaixonante:)




LORI FOSTER - essa escritora sabe como escrever um personagem masculino totalmente sensual e apaixonante, envolvente e aaaaah! Meu Deus - nos faz dar gritinhos orgásticos srsrsrsrs

 Casey - Sawyer, Morgan, Gabe e Jordan são os homens mais desejados de Buckhorn, Kentucky. Mas quando entra em cena Casey, o filho de Sawyer, só se pode dizer uma coisa: tal pai, tal filho.... (E que filho senhor *O*)

 Emma Clark está de volta a Buckhorn. Durante a adolescência, fora a garota do cabelo descolorido, supermaquiada e de péssima reputação. Emma tentara de tudo para seduzir Casey Hudson, o menino mais bonito da cidade e a única pessoa que parecia realmente se importar com ela. Fora muito difícil para Casey resistir a Emma. Mas agora, oito anos depois, era impossível não ceder á tentação. Porém, Emma se tornara uma mulher madura, encantadora e de sutil sensualidade. Surpreendentemente, dessa vez, ela se empenhava em mante-lo a distancia. Só restava a Casey convence-la de que sua atração não era apenas um resquício do desejo adolescente, e sim um amor verdadeiro por uma mulher real...

 História super linda ... ameiii ameiii ... e olha que não sou de fascinar por romance !!!! :)

Esses foram os livros da semana que eu li e indico :)
:*

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Escrever um poema .... Dica básica

Boa Noite meus amores ..... aaah minha falta de tempo ainda me mata .... XD ... Mas prometo comparecer mais aqui no blog com as postagens ^^

hoje eu venho compartilhar com vocês o pouco de experiencia que eu tenho em escrever poemas/poesias.

Ultimamente eu venho recebendo muitas perguntas relacionados á poesias: Como eu faço para escrever um poema? Como você escreve poemas? O que necessita??

Resposta: Necessita de você mesmo !!!!
Pergunta: Como?

Na verdade é irônico dizer isso ou muita falta de sinceridade para dizer que uma poesia é fácil de ser escrita.
Não, não é fácil escrever um poema ... Pois, o poema deriva do sentimento do escritor/ autor.
Se lermos as poesias escritos nos períodos de tempo - muitos falaram - o que eles quiseram dizer com essas palavras? Sim, os poemas relacionado á literatura que temos na escola, desde o fundamental, - sim, o trovadorismo, romantismo, modernismo e por ai vai.

Na minha época de escola, minha professora era e é amante da literatura, os olhos dela até brilhavam quando ela mencionava um escritor, um poema, quando ela ia explicar as palavras descritas no poema, ou seja, o sentimento da poema - ela segurava as lágrimas - mas seus olhos brilhavam em uma paixão que hoje eu como amante da literatura em geral, eu a entendo perfeitamente. :)
E essa professora me explicou o seguinte: os poetas / poetisas - eles escrevem seus sentimentos, são palavras escondidas em nossa alma que conseguem se libertar através das palavras. Mas, não são sentimentos claro e fácil de entender, porém o leitor que ler com a alma sentirá e entenderá perfeitamente as palavras e até mesmo a história que há neles.
Uma dica: as músicas surtem um efeito maravilhoso para essas palavras escondidas, se soltarem.

Escritores - nascem, eu chamo isso de DOM e eu sou muito grata á Deus por ele ter me dado o DOM da escrita - não apenas para a poesia e sim para criar histórias e cenários e personagens e ... enfim ... amoo

Mas aqui vai á resposta: para escrever um poema, depende muito do estado mental e sentimental do escritor, as musicas ajudam e muito aqueles que querem começar á escrever um poema. Por que um poema querendo ou não são sentimentos do escritor.
Seja um poema descrevendo um história no momento, um poema falando sobre o campo, um olhar que lhe apaixonou, um fantasma feminino que lhe virou á cabeça e roubou seu ♥, uma noite de amor, as estrelas que brilham no céu... Enfim ....  
Você quem vai escrever, então é você que está tendo esse tipo de sentimento e você quer que o leitor entenda o seu sentimento e o que você está transmitindo através das palavras, mas escritas em metáforas. (o que todos dizem ser péssimos para entender), Oras, um poeta/poetisa não é tão ruim assim de entender, é?

Ok, eu admito, somos loucos, vivendo em nossa própria loucura e procurando á felicidade, mesmo que a felicidade seja apenas uma palavra e que poucos conseguem senti-las e quando sente não quer que o pequeno sentimento diga ADEUS e quando dizem BYE, voltamos á nosso estado de loucura e sorrindo pela nossa própria mentalidade... Porém, "FELIZES".

O que diferencia o poema de um texto literário é: o poema é mais sentimental, escrito em metáforas, não é muito atrativo, por ser sentimental costumam ser mais tristes ou muito apaixonado.
O texto literário é a inclusão de personagens, cenários, diálogos, ação, descrição de personagens e roupas, história e geralmente, não, sempre são mais diretos nas palavras e no sentimento e pensamentos dos personagens e não sã escritos por metáforas.

WOW!!! Dei uma aula agora srrssr

A dica básica é: se você quer começar á escrever um poema, comece ouvindo musicas e deixe as palavras escondidas dizerem á sua liberdade!!!!

COM AMOR,
JANAINA SOBRINHO :*

O Castelo de Lobo

             Boa tarde gente bonita .... Maratona de livros dessa semana , mas para não fazer uma postagem muito grande, vou divid...