quinta-feira, 30 de abril de 2015

Literatura Rococó

Boa Noite meus amores *-*

Assunto de hoje Literatura Rococó ;p
O estilo Rococó, na verdade é mais artístico do que literário, a música, escultura, pintura e arquitetura, ou seja, o Rococó é irmã da Arte Barroca e portanto o poste de hoje será um pouquinho longo, mas compensará ^^

ROCOCÓ
A palavra rococó é um termo francês "rocaille", ou seja, "concha". Por que do concha?
Por que está associado a certas fórmulas ornamentais e decorativas, como por exemplo: na decoração de uma gruta artificial era usado incrustação de conchas e pedaços de vidros. O Rococó foi um movimento estético que floresceu na Europa.

O Rococó nasceu em Paris na década de 1770 como reação aristocratica contra o Barroco suntuoso, palaciano e solene pratico no periodo de Luiz XV. Caracterizou-se portanto por sua índole hedonista (palavra grega, significa: prazer, vontade) e aritoscrática.
-Delicadeza;
-Elegancia;
-Sensualidade;
-Graça;
-Temas leves e sentimentais
-Linha curva e
-Cores claras, essas são papeis fundamentais na composição da obra.
Na França, teve uma afeição mais tipica e mais tarde foi reconhecido como patrimonio nacional.


Um pouco da História: 

O rococó é um movimento artístico europeu, que aparece primeiramente na França, entre o barroco e o Arcadismo. Visto por muitos como a variação "profana" do barroco, surge a partir do momento em que o Barroco se liberta da temática religiosa e começa a incidir-se na arquitetura de palácios civis, por exemplo. Literalmente, o rococó é o barroco levado ao exagero de decoração.
Na ourivesaria, no mobiliário, na pintura ou na decoração dos interiores dos hotéis parisienses da aristocracia, encontram-se os elementos que caracterizam o Rococó: as linhas curvas, delicadas e fluídas, as cores suaves, o caráter lúdico e mundano dos retratos e das festas galantes, em que os pintores representaram os costumes e as atitudes de uma sociedade em busca da felicidade, da alegria de viver, dos prazeres sensuais.

O Rococó é também conhecido como o "estilo da luz" devido aos seus edifícios com amplas aberturas e sua relação com o século XVIII.

No Brasil o estilo revelou-se tardiamente, pois já no início do século XIX, na escultura de madeira e de «pedra-sabão», na pintura mural e na arquitectura, com José Pereira Arouca, Francisco Xavier de Brito, Manuel da Costa Ataíde e António Francisco Lisboa, o Aleijadinho.


Caracteristicas do Barroco:

-Cores claras;
-Tons pastel e douramento;
-Representação da vida profana da aristocracia;
-Representação de Alegorias;
-Estilo decorativo;
-Possui leveza na estrutura das construções;
-Unificação do espaço interno, com maior graça e intimidade;
-Texturas suaves;
-Hedonismo.


Musica Rococó
O estilo de música utilizada no rococó é de difícil definição.

É caracterizado por sarabandas, gigas, minuetos e outras galanteries. Um dos compositores deste estilo é Johann Christian Bach, filho mais novo de Johann Sebastian Bach.

Escultura Rococó

Os escultores do rococó abandonam totalmente as linhas do barroco.As suas esculturas são de tamanho menor. Embora usem o mármore, preferem o gesso e a madeira, que aceitam cores mais suaves.

Escultura do Palácio Real de Queluz

















Pintura Rococó

A pintura do Rococó divide-se em dois campos nitidamente diferenciados. Um deles forma um documento visual intimista e despreocupado do modo de vida e da concepção de mundo das elites européias do século XVIII, e o outro, adaptando elementos constituintes do estilo à decoração monumental de igrejas e palácios, serviu como meio de glorificação da fé e do poder civil.

 Fragonard - O balanço

Fragonard - A leitora



Watteau - Embarque para Citera











A pintura rococó era concebida muitas das vezes como parte integrante de uma concepção global de decoração de interiores. A meados do século XVIII, começou a ser criticada, com ascensão de ideias iluministas, neoclassicos e burgueses, sobrevivendo até a Revolução Francesa.
A partir da década de 1830, voltou a ser reconhecida como testemunho importante de uma determinada fase da cultura européia e do estilo de vida de um estrato social específico, e como um bem valioso por seu mérito artístico único e próprio, onde se levantam questões sobre estética que floresceriam mais tarde e se tornariam centrais para a arte moderna.


Escultura Rococó

 Fonte e fachada do Palácio Real de Queluz 1747-1807



Pormenor Palácio Real de Queluz




Interior do Palácio Real de Queluz






Breve comentário: para os amantes da arte, isso é perfeição!





Abaixo á musica Rococó de  Johann Christian Bach


Escolhi o video mais curto 11 min. São sinfonias e tem muitas, mas muitas mesmo, espero que o som lhes agradem, assim como me agradou ^^

E mais algumas pinturas do Rococó que são belissimas ...




 Fontes: Google e outros sites....

Quero agradecer á todos que leem e até o próximo poste
:*


 

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Literatura Barroca ...

Boa Noite lindos e lindas *-*
Sim, essa semana falarei sobre a literatura, porém variados \o/

Hoje vamos falar sobre a Literatura Barroca e claro que não podemos deixar de lado a Literatura Rococó que sem falar dela não há como entender o Barroco, pois as duas são "irmãs", mas hoje apenas o Barroco, ok? ^^

Literatura Barroca
Não há um termo de origem sobre á palavra Barroco, á mais derivada do termo é a palavra Barueco (pérola, joia irregular, extravagante e áspera com manchas escuras) assim pensava ser a palavra de origem espanhola ou portuguesa. Pois, essa "estilo Barroco", segundo os clássicos é um estilo irregular, defeituoso, de mau gosto.  

Em sua estética, o barroco revela a busca da novidade e da surpresa; o gosto pela dificuldade, pregando a ideia de que se nada é estável tudo deve ser decifrado; a tendência ao artifício e ao engenho; a noção de que no inacabado reside o ideal supremo de uma obra artística.
A literatura barroca se caracteriza pelo uso da linguagem dramática expressa no exagero de figuras de linguagem, de hipérboles, metafóricos, anacolutos e antíteses.


A Origem do Barroco

Em Portugal, o Barroco, também chamado Seiscentismo, tem como marco inicial a Unificação da Peninsula Ibérica sob o dominio espanhol em 1508.
O Barroco corresponde a um período de grande turbulência político-econômico, social, e principalmente a religião. A incerteza e a crise toma conta da vida portuguesa. Fatos importantes que marcaram essa época: o termino do Ciclo das Grandes Navegações, a Reforma Protestante e o Movimento Católico de Contra-Reforma, marcam o contexto histórico e colabora com a criação do Mito do Sebastianismo (crença).

O marco inicial do Barroco do brasileiro é o poema épico, Prosopopéia de Bento Teixeira (1601)

Camões um dos poetas Barroco escreveu Os Lusíadas em dedicação ao D. Sebastião, Rei de Portugal.


Caracteristicas Barroca

-Dualismo
-Fugacidade
-Pessimismo
-Cultismo   
-Conceptismo
-Antropocentrismo X Teocentrismo (homem x Deus / carne X espirito)
-Linguagem rebuscada e trabalhada ao extremo
-Literatura moralista, usada pelos padres jesuítas para pregar fé e religião
-Conflito existencial gerado pelo dilema do homem dividido entre o prazer pagão e a fé religiosa.



Barroco Ibérico - diz dois modos de se conhecer a realidade:
-Cultismo
-Concentrismo - marcado pelo jogo de ideias, de conceitos, segundo o raciocínio lógico, racionalista.



Autores Barrocos:
Brasileiros:
-Gregório de Matos - representa a vértice do cultismo.
 
 Poesia religiosa: homem ajoelhado perante Deus, implorando o perdão para os pecados cometidos.

-Bento Teixeira Pinto
-Manuel Botelho de Oliveira
-Padre Antonio Vieira
-Frei Manuel de Santa Maria Itaparica

Escritores Portugueses:
-Padre Antonio Vieira - representa a vértice conceptista.



Luís de Camões - Os Lusíadas ... São X contos - colocarei apenas 1

Conto I
As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;


Bento Teixeira - Prosopopeia 1601

I

Cantem Poetas o Poder Romano,
Sobmetendo Nações ao jugo duro;
O Mantuano pinte o Rei Troiano,
Descendo à confusão do Reino escuro;
Que eu canto um Albuquerque soberano,
Da Fé, da cara Pátria firme muro,
Cujo valor e ser, que o Ceo lhe inspira,
Pode estancar a Lácia e Grega lira.


II

As Délficas irmãs chamar não quero,
que tal invocação é vão estudo;
Aquele chamo só, de quem espero
A vida que se espera em fim de tudo.
Ele fará meu Verso tão sincero,
Quanto fora sem ele tosco e rudo,
Que per rezão negar não deve o menos
Quem deu o mais a míseros terrenos.
 




Manoel Botelho de Oliveira - Poema 

Sol e Anarda
O sol ostenta a graça luminosa,
Anarda por luzida se pondera;
o sol é brilhador na quarta esfera,
brilha Anarda na esfera de formosa.

Fomenta o sol a chama calorosa,
Artarda ao peito viva chama altera,
o jasmim, cravo e rosa ao sol se esmera,
cria Anarda o jasmim, o cravo e a rosa.

O sol à sombra dá belos desmaios,
com os olhos de Anarda a sombra é clara,
pinta maios o sol, Anarda maios.

Mas (desiguais só nisto) se repara
o sol liberal sempre de seus raios,
Anarda de seus raios sempre avara.


 Fontes: Google e outros sites ...

O poste foi comprido, porém bem resumido ... 
Por hoje é só e até o próximo :*  

terça-feira, 28 de abril de 2015

Literatura Medieval

Boa Tarde queridos e queridas *-*

Agora definitivamente minha internet voltou (obrigada senhor >.<) .... E abrindo essa bela Terça-feira o poste de hoje é sobre literatura medieval ..... Acredito que muitos ouviram suas características, mas sempre ouviram falar da Literatura Medieval em outro nome.

Mas, vamos lá, para o assunto de hoje...


A Literatura Medieval é um tema vasto, abrangendo essencialmente todas as obras escritas e disponíveis na Europa e além da Idade Média (abrangendo o milênio que vai da queda de Império Romano em cerca de 500, até o inicio do Renascimento Florentino em fins do séc. XV.)
A Literatura dessa época era composto por escritores religiosos.

Línguas:

Naquela época o Latim era o idioma usado pela Igreja Católica Romana, e esse idioma dominava a Europa Oriental e Central, e como a igreja era a unica fonte de educação, então o Latim era uma lingua comum para os escritores medievais.

Anonimato:

Uma quantidade considerável da produção literária medieval é anônima. Isto não se deve somente a falta de documentos de um determinada era, mas também a uma interpretação do papel do autor que difere consideravelmente da interpretação romântica do termo em uso nos dias de hoje. Autores medievais tinham sobre si a sombra dos escritores da Antiguidade Clássica e dos Pais da Igreja e costumavam recontar e embelezar histórias que tinham ouvido ou lido em vez de inventar histórias novas. E mesmo quando o faziam, frequentemente afirmavam estar transcrevendo algo de outro autor. Sob este ponto de vista, os nomes dos autores individuais parecem ter muito menos importância, e desta forma, muitas obras importantes jamais foram atribuídas a alguém em particular.  


Algumas caracteristicas da literatura medieval:

-Usavam pergaminhos para escrever os textos
-Os livros eram feitos á mão e copiados pelos monges copistas.
-Os livros eram ilustrados com iluminuras (desenhos feitos nas margens).
-Idioma era Latim.
-Os livros eram escritos principalmente por monges e integrantes do alto clero (Papa, Bispos e Arcebispos) e como naquela época á maioria da Idade Média não sabia ler, então os livros eram restritos para a Nobreza e o Clero.
-Os livros eram religiosos.

-A partir do século XII começam ser escritos textos relatando feitos heroicos, guerras e batalhas, Cruzadas e a vida dos cavaleiros medievais. Neste contexto, destaca-se o Ciclo Literário Arturiano, que se refere ao Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda.

Escritores Medievais, principais:

-Boecio
-Geoffrey Chaucer
-Giovanni Boccaccio
-Santo Agostinho
-São Tomás de Aquino
-Paio Soares de Taveirós
-Dante Alighieri

Apenas, um resumo da Literatura Medieval, pois tem a Litertura Medieval Espanhola, Italiana e afins.... 
O interessante era como era feito os livros, abaixo algumas imagens ....




 
 Fontes: Google e outros sites....

Espero que gostem e até o próximo poste 
:*

sábado, 18 de abril de 2015

Conto \o/

Boa noite pessoal ..... *-*
Hoje é dia de conto aqui no blog \o/ .... sim fiquei três semanas sem net mas vou compensa-los :p
Não esquecendo que os contos aqui do blog é dos escritores do facebook e com autorização deles eu divulgo aqui no blog, espero que ninguém rouba esses contos....

O conto de hoje é do nosso escritor HALISSON NEANDER  com o conto

O CAVALEIRO DOS LÍRIOS NEGROS

“No pátio do castelo, os arqueiros observavam pávidos, a aproximação do cavaleiro vermelho que, dominado pela cegueira de sua fé, acreditava veemente que banhar a sua armadura e espada no sangue de suas vitimas o tornaria mais forte.
O cavaleiro caminhava lentamente, trajando sua armadura rúbida e descansando em seus ombros estava o exorbitante machado de lâmina dupla. Machado que logo seria usado para cortar as mãos dos arqueiros, como castigo — por terem destruído as duas balistas — que atacaram o castelo das hidras, momentos antes.
Com muito custo, os arqueiros foram amarrados sobre as pedras. Quando o primeiro homem recebeu o golpe do machado, decepando-lhe as mãos, ele gritou!”
Nessa hora, lorde Vanai acordou de forma abrupta, suando e com a respiração ofegante, então se deu conta de que tudo não havia passado de um pesadelo — mais um — entre muitos que o acompanhavam desde o dia em que havia traído seus homens, no castelo de Calty Hill.
Sentado na beira da cama, Vanai perdeu-se, entre a loucura e a realidade, pois no imenso escuro do quarto ouviu uma voz ecoar.
— O tormento que estás sofrendo é o preâmbulo dos castigos reservados aos traidores, lorde Vanai.
Assustado, o lorde agarrou o punhal que guardava embaixo do travesseiro e, sem pensar duas vezes, golpeou a escuridão, enquanto ia de encontro à parede. Pegou um archote e clareou o local, revelando no chão algo que o faria tremer e sentir os pelos do corpo se eriçar. Caído próximo à sua cama estava um lírio negro...
— Vanai, todo traidor tem uma dívida a pagar, sendo assim, hoje eu serei o seu credor! Ecoou a voz atrás do lorde.
Vanai rapidamente se virou e, ao apontar a archote para área escura do quarto, pôde ver, então, sair da escuridão o homem trajando uma armadura negra adornada de lírios. O homem empunhava na mão esquerda uma lâmina fina e sem corte.
— Saia daqui! Deixe-me em paz. Tudo que fiz, eu fui obrigado a fazer. Você não tem o direito de me julgar. — disse-lhe Vanai, com a voz atemorizada, enquanto apontava o punhal na direção do homem parado à sua frente.
“O homem que havia saído da escuridão era Terrif. O cavaleiro dos lírios negros. Que no passado fez parte da antiga legião de Antar, mas como seus companheiros acabaram se tornando mercenários cruéis e desprezíveis, Terrif seguiu seu caminho, tornando-se um caçador de traidores. Durante algum tempo, chegou a lutar ao lado do comandante Veramom, na Guerra dos Quatro Reinos, onde então ficou conhecido por carregar o seguinte lema: ‘Uma morte para um lírio negro e um lírio negro para uma morte’. Para cada homem que matava, jogava um lírio negro sobre seu corpo.”
— Não, você não foi obrigado a fazer nada! — respondeu o cavaleiro de forma ríspida. Tudo o que fez, foi pela sua ganância e ambição, lembro bem do dia em que você traiu seus amigos, facilitando a invasão do castelo de Calty Hill.
— É mentira! — Esbravejou lorde Vanai.
— Cala-te e escute! Por muito tempo você matou, escravizou e traiu. E no nosso mundo, todos devem pagar. Sua hora chegou. Seja homem, levante-se do chão e saque sua espada. Se conseguir me vencer, poderá viver o resto de sua miserável vida em paz.
Vanai levantou-se e do umbral retirou uma grande espada. Em seguida, começou a girar a lâmina em círculos. O lorde deu uma investida de cima para baixo, visando à cabeça do cavaleiro dos lírios. Terrif apenas se esquivou, pois sabia que sua espada não era forte o bastante para aparar os golpes da lâmina de Vanai. Mas o cavaleiro dos lírios tinha a velocidade a seu favor, pois se movia com agilidade de um lado para o outro, e em um desses movimentos, sentiu quando a espada de Vanai passou sibilando próximo ao seu rosto...
Durante alguns minutos, o embate dos dois homens era ataque contra desvio, até que Vanai pensou estar dominando a luta. Nesse momento, o cavaleiro dos lírios aproveitou a oportunidade, e estocou sua lâmina fina e sem corte no coração do lorde traidor. Com um pouco mais de força, Terrif empurrou sua lâmina sem vida até encostar a guarda no peito de Vanai. O lorde afrouxou os pulsos e sentiu o cabo da espada escapar da mão. O cavaleiro dos lírios então começou a retirar suavemente sua lâmina do peito do homem. Um segundo depois, Vanai caiu de joelhos e sentiu o sangue umedecer suas roupas, e não demorou muito para que suas costas tocassem o chão de pedra, onde agonizou e revirou os olhos nas órbitas, já quase sem vida.
Antes que pudesse dar seu último suspiro, sentiu o lírio negro cair sobre seu peito. E junto com ele, vieram todos os fantasmas dos homens que ele havia traído no passado, sedentos por uma parte de Vanai, como forma de pagamento de sua dívida. Por fim o tormento do homem cessou, quando seus olhos se cerraram para sempre.
O cavaleiro dos lírios, após limpar a lâmina fria e sem vida, aproximou-se da sacada do quarto de Vanai. Então, olhando para o céu, disse em alto e bom som:
— Comandante Veramom: certa vez, durante a Guerra dos Quatro Reinos, eu lhe fiz uma promessa e hoje ela está paga. Se acasoestiver atravessando a ponte das almas, desejo-lhe que descanse em paz.
Agora estou livre para seguir meu caminho e caçar os antigos cavaleiros da legião de Antar. Gorus, o cavaleiro da discórdia, capaz de causar uma guerra sem levantar uma arma; Axel o cavaleiro vermelho, aquele que banha sua armadura no sangue de suas vitimas; e Julian o cavaleiro sem face, pois até hoje ninguém nunca viu seu rosto ou muito menos seu corpo por baixo da armadura de escamas.
E assim, parte o cavaleiro dos lírios negros, rumo à sua nova jornada...

 aaah eu preciso comentar esse conto ..... contos de guerra e fantasia eu amo e esse conto me conquistou, parabéns ao escritor desse conto e garanto que se escrevesse um livro com esse tema do conto eu seria á primeira á comprar, pode ter certeza :p

NADA FOI MODIFICADO NO CONTO .... 

ESPERO QUE VOCÊS GOSTEM TANTO QUANTO EU GOSTEI DESTE CONTO, e obrigada aos que visualizaram e apertaram +1 ... 

o segundo conto teve bastante visualizações e espero que esse tenha o dobro ou o triplo .... até o proximo poste :*

terça-feira, 14 de abril de 2015

Anime \o/

Boa noite queridos e queridas .... >.<
Gente, eu não abandonei o blog é que minha internet decidiu de momento ficar três semana sem funcionas :( .... Mas enfim, aqui estou eu com novas postagens e EU NÃO ESQUECI DOS CONTOS!!!!!!

Hoje o poste é de ANIME  eeeeeeeeeee .... \o/ ..... tempo que não vejo anime, mas essa semana terminei de ver um que é muito mais muito show .... principalmente á musica Sakasama no Chou - apaixonei ♥

ANIME: JIGOKU SHOUJO ♥♥♥♥

Vamos para linda sinopse: Retira do anitube.se .....

Em algum lugar no vasto mar da Internet, existe um site que só pode ser acessado ao baladar da meia-noite. Conhecido como Jigoku Tsushin, rumores indicam que se você postar qualquer ressentimento ou rancor lá, a Jigoku Shoujo aparece e arrasta qualquer pessoa que esteja lhe atormentando para as profundezas do inferno. Muito pouco é conhecido à respeito dessa garota - tudo que sabemos com certeza, é que ela vive com sua igualmente enigmática avó, as três bonecas que a acompanham e servem a seus propósitos, e qualquer mensagem postada no Jigoku Tsushin a desperta, e faz com que ela se torne a Jigoku Shoujo.

Agora vamos para o breve comentário:

O anime não fixa em apenas um personagem e sim em vários personagens com várias histórias que acontece ou já aconteceu conosco, mas nunca fizemos justiça com as próprias mãos e nos faz parar e pensar que seria bom se existisse um site desse para que assinássemos um contrato com Emma Ai (a donzela do inferno) para fazer a justiça que Deus e o homem na faz. Mas com a consciência que não apenas a pessoa vai para o inferno, quem fez o contrato, ou seja, você também vai, porém quando morre.
Logo, na 1º temporada conta á história de Emma Ai e é muito triste, sério :'(
O anime é tem três temporadas .... Jigoku Shoujo, Jigoku Shoujo Futakomori e Jigoku Shoujo Mitsuganae - conta também com um dorama (eu mesma nunca vi) e o vídeo game desse anime.

"De que cor, voce quer ver á morte?"
Amo, quando ela fala isso .... *-*
E onde eu vi esse anime? ..... nesse site que é fantástico e indico --> anitube.se


aaaaaah e a belissima musica ..... 

totalmente recomendo esse anime .... 
A postagem de hoje foi bem curta, mas espero que apreciem *-*
Até á próxima com CONTOS :*

O Castelo de Lobo

             Boa tarde gente bonita .... Maratona de livros dessa semana , mas para não fazer uma postagem muito grande, vou divid...